Sunday, December 11, 2011

Regras versus relacionamentos



Rick Boxx *

Assim como acontece na família, muitos empresários lutam para alcançar equilíbrio entre manutenção de regras e disciplina, ao mesmo tempo que proporcionam aos colaboradores espaço para liberdade e individualidade. Algumas organizações são excessivamente permissivas, deixando que seus funcionários façam tudo o que acharem apropriado. Outras são demasiadamente rigorosas, restringindo quaisquer ações e comportamentos de seu quadro de pessoal.

Quando dirijo workshops sobre negócios, gosto de ensinar a seguinte fórmula: “Regras + Relacionamentos = Integridade Corporativa”. Meus anos de experiência no mundo corporativo me ensinaram que esse equilíbrio é crucial para um ambiente de trabalho saudável e produtivo. Se você tem regras, mas não dá muita importância aos relacionamentos, provavelmente vai ter de lidar com rebeldia.

Por outro lado, se tiver dado demasiada ênfase a relacionamentos, mas não tiver estabelecido diretrizes cuidadosamente planejadas para as práticas e comportamentos do dia a dia, poderá experimentar caos. A capacidade de equilibrar ambos assegura à equipe que você se importa com eles e, ao mesmo tempo, espera que produzam resultados alinhando-se com a missão e os valores da empresa. Romanos 13.3 ensina: “Somente os que fazem o mal devem ter medo dos governantes e não os que fazem o bem. Se você não quiser ter medo das autoridades, então faça o que é bom, e elas o elogiarão”.

O problema ocorre quando há confusão entre os empregados acerca do que significa “fazer o bem”. Como líderes é nossa responsabilidade comunicar isso clara e eficazmente. Assim como sociólogos descobriram que crianças ficam mais satisfeitas quando entendem seus limites – no lar ou na escola – no mercado de trabalho também se espera que os líderes definam os parâmetros mediante os quais se espera que o trabalho seja realizado.

Regras e diretrizes, especialmente quando criadas com informações valiosas oferecidas por pessoas que serão governadas por elas, não são restritivas. Na verdade, capacitam os indivíduos a compreender que são livres para usar seus talentos e habilidades dentro dos limites estabelecidos. Sem tais regras, os colaboradores podem se sentir confusos, mesmo imobilizados, pelo temor de fazer algo errado.

A alternativa seria o próprio pessoal determinar seus padrões, o que poderia ter resultados caóticos. Provérbios 29.18 nos ensina que, “Não havendo visão, o povo se corrompe...”. Outra versão declara: “Onde não há revelação divina, o povo se desvia, mas como é feliz quem obedece à lei!”

O estabelecimento de regras apenas para controlar pessoas é desmoralizador. As diretrizes devem ser usadas como meio de melhorar a produtividade – e a satisfação – das pessoas em seu trabalho. Líderes fortes e eficientes sabem como equilibrar compreensão e disciplina. E você?

* Rick Boxx é presidente e fundador da "Integrity Resource Center", escritor internacionalmente reconhecido, conferencista, consultor empresarial, CPA, ex-executivo bancário e empresário. Adaptado, sob permissão, de "Momentos de Integridade com Rick Boxx", um comentário semanal acerca de integridade no mundo dos negócios, a partir da perspectiva cristã. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

A bênção da criatividade



Jim Mathis*

Uma das grandes diferenças entre o homem e demais criaturas é a criatividade. Em conversa recente com um amigo artista, um pintor, falávamos sobre a arte criada por um indivíduo, em contraste com aquela criada por uma equipe. Como pintor ele trabalha principalmente sozinho, assim como eu no meu trabalho como fotógrafo. Quando outras pessoas estão envolvidas em um projeto, elas geralmente são o alvo da fotografia. Fazem parte do processo. Mas a criatividade está no uso de meus olhos, cabeça e coração para criar fotos. A câmera é uma ferramenta, como o pincel do pintor ou o cinzel do escultor na criação de uma obra de arte.

Encaro minha outra profissão – a de músico – como “esporte de equipe”. Alguns músicos gostam de trabalhar sozinhos enquanto compositores ou solistas. Mas para mim a música é melhor quando feita em conjunto. O conjunto pode ser pequeno como um duo – John Lennon e Paul McCartney – ou grande como uma orquestra sinfônica.

O mesmo princípio se aplica ao mundo dos negócios. Um CEO ou executivo trabalha sozinho às vezes, tomando decisões que somente ele pode tomar. Executivos de vendas viajam sozinhos para se encontrar com clientes potenciais, na esperança de convencê-los a comprar os produtos ou serviços que representam. Usam a criatividade para determinar o que é melhor para realização de seus objetivos.

Na maior parte do tempo, porém, a abordagem como equipe é a melhor, como na formulação de estratégias, no desenvolvimento de planejamentos específicos ou na avaliação de desempenho de um departamento ou da empresa como um todo. Perspectivas diferentes levam a melhores resultados. Seja qual for o tamanho da equipe, a “mágica” acontece quando se reconhece que o todo é maior que a soma das partes. Frequentemente vemos isso nos esportes. Quando os membros de uma equipe jogam bem juntos, os resultados são melhores do que os esperados de cada um individualmente.

O grupo musical de que faço parte, o Sky Blue, foi formado porque queríamos fazer arte sob a forma de música. Quando tocamos, nossa audiência vê quatro artistas ouvindo um ao outro, respondendo ao que os outros estão cantando e participando da conversa musical de maneira tal que agrade aos ouvidos. Não somos uma banda de jazz, mas isto é o que basicamente descreve o jazz. Na maior parte do tempo, estampamos um grande sorriso no rosto por termos produzido algo que nunca antes fora ouvido e muito provavelmente não será ouvido novamente dessa mesma maneira.

* Jim Mathis, diretor executivo do CBMC em Kansas, Missouri e em conjunto com a esposa Louise, dirigem uma Cafeteria. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes

Riscos e promessas da incerteza



Rick Boxx*

Líderes empresariais acreditam que as incertezas são importante motivo para que a economia global permaneça em crise, demonstrando poucas evidências de estar renovando suas forças. Impostos pressionam a todos. Indicadores econômicos estão enfraquecidos. O panorama político está repleto de incógnitas. O resultado disso é que líderes empresariais hesitam em levar avante novos projetos, contratar novos empregados ou se envolver em qualquer atividade significativa que possa colocar os recursos de suas corporações em risco.

Em um aspecto essa abordagem cautelosa é justificada. Seria sábio avançar descuidadamente mesmo que as condições econômicas não se mostrassem favoráveis? Em outras palavras, a falha em reconhecer situações perigosas e agir de acordo com elas, pode levar a consequências desastrosas.

Contudo, esperar até que as condições pareçam perfeitas, pode também não ser o curso mais prudente a ser adotado: pode ser tarde demais! Como nos lembra o velho ditado, “O pássaro madrugador fica com a minhoca”. Ás vezes, o melhor momento para lançar algo novo é quando todos os demais estão nas garras da inércia. Enquanto todas as outras pessoas se deixam imobilizar pelo temor do que está adiante, algumas das maiores histórias de sucesso empresarial falam de indivíduos audaciosos e previdentes que agiram segundo ideias bem concebidas.

Sendo assim, quem pode dizer qual a diferença? Como distinguir entre quando é melhor ser cauteloso e esperar ou avançar a despeito da incerteza predominante? Embora ninguém possa oferecer garantia de sucesso, nem mesmo nas condições econômicas mais favoráveis, a Bíblia oferece algumas diretrizes úteis que merecem ser consideradas.

* Rick Boxx é presidente e fundador da "Integrity Resource Center", escritor internacionalmente reconhecido, conferencista, consultor empresarial, CPA, ex-executivo bancário e empresário. Adaptado, sob permissão, de "Momentos de Integridade com Rick Boxx", um comentário semanal acerca de integridade no mundo dos negócios, a partir da perspectiva cristã. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Tuesday, September 27, 2011

Associação Cruz Verde realiza encontro anual no Bourbon Street



Evento terá show de Jair Rodrigues, Luciana Mello e Jair Oliveira


Pelo quarto ano consecutivo será realizado em São Paulo o “Encontro Anual dos Amigos da Cruz Verde”, um evento tradicional e prestigiado por colaboradores e amigos que, além de ajudar a entidade, constroem relacionamentos e desfrutam de momentos agradáveis e bem divertidos.

O evento irá acontecer no dia 05 de outubro de 2011, com início às 20h, no Bourbon Street e os ingressos podem ser adquiridos por R$ 150,00 por pessoa (com direito coquetel, open bar e show super especial) através do email marketing@cruzverde.org.br e também o telefone (11) 5579-7335.

O mestre de cerimônia do evento será o apresentador Otávio Mesquita, um dos mais recentes amigos da Cruz Verde e o show musical ficará por conta do Jair Rodrigues e dos seus filhos Luciana Mello e Jair de Oliveira. Como em todos os anos, o apresentador da Band Sports Beetto Saad, juntamente com Flavio Padovan, presidente da Cruz Verde, também terão participação na apresentação das atrações da festa. Muitas celebridades e personalidades do meio artístico, empresarial e esportivo estarão presentes no evento.

A Associação Cruz Verde é uma entidade particular filantrópica, não governamental e sem fins lucrativos que abriga e cuida de 206 portadores de paralisia cerebral grave. Para conhecer mais sobre a Cruz Verde entre no site: www.cruzverde.org.br

Serviço

IV Encontro dos Amigos
Local: Bourbon Street
Endereço: Rua Chanés, 127 – Indianópolis, São Paulo
Horário: 20:00hs
Ingressos: R$ 150,00
Email: marketing@cruzverde.org.br
Telefone: (11) 5579-7335

Tuesday, August 16, 2011

Missão, visão, valores



Rick Boxx*

Perguntaram ao meu amigo Estevão: “Se você tivesse que começar seu negócio de novo, o que faria de forma diferente? “ Estevão respondeu rápida e decididamente: “Imediatamente eu esclareceria a visão, missão e valores da empresa e os comunicaria constantemente ao quadro de funcionários”.

Ao longo do tempo Estevão descobriu que, quando a equipe obteve compreensão clara de quem eles eram e entraram em acordo em relação para onde estavam indo, a empresa tornou-se muito mais eficiente. Em essência, eles obtiveram respostas para três perguntas fundamentais: (1) Para onde estamos indo? (2) Como chegaremos lá? (3) Como saberemos que já chegamos?

Max DePree, ex-CEO de uma empresa de móveis para escritório e autor de vários livros, observou que comunicação clara em uma organização é essencial para que ela opere com sua capacidade máxima. Ele disse: “Relacionamentos nas corporações melhoram quando a informação é compartilhada com exatidão e livremente”.

Esse princípio é verdadeiro para qualquer empreendimento na vida, quer planejando atividades da família, indo para guerra ou desenvolvendo iniciativas beneficentes. Porém, no mundo profissional e empresarial, onde indivíduos únicos se misturam oferecendo variedade de habilidades, interesses e experiências, a necessidade de clareza da visão, missão e valores não pode ser superestimada. Para assegurar o sucesso não pode existir confusão a respeito de planos, metas, expectativas, responsabilidades ou papéis. E essa comunicação não pode ser esporádica: é preciso que seja contínua e completa.

Por essa razão, empresas exibem fisicamente declarações de missão e visão por todas as suas instalações e escritórios. Escrever tais documentos seria de pouco valor, caso fossem arquivados em gavetas e esquecidos. Quando são periodicamente revistas em reuniões, permanecem em primeiro plano na mente de todos.

Na Bíblia, o melhor manual de negócios jamais compilado, vemos exemplos em que a necessidade da expressão clara de visão e missão são ressaltadas. Por exemplo, Deus instruiu o profeta Habacuque: “Escreva em tábuas a visão que você vai ter, escreva com clareza o que vou lhe mostrar, para que possa ser lido com facilidade. Ainda não chegou o tempo certo para que a visão se cumpra; porém ela se cumprirá sem falta...” (Habacuque 2.2-3).

Ao final de Seu ministério terreno, Jesus Cristo fez uma clara afirmação de missão e visão para Sua “equipe”: “Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam Meus seguidores... ensinando-as a obedecer tudo o que tenho ordenado a vocês...” (Mateus 28.19-20). Nessa diretriz concisa, Jesus afirmou a Seus seguidores quem eram, para onde deveriam ir e o que teriam que fazer.

Trazendo esse conceito para a esfera do mercado de trabalho, torna-se difícil para qualquer equipe ser produtiva, se seus membros não sabem para onde estão seguindo. Sendo assim, lembre-se de delinear sua visão com regularidade e consistência.

*Rick Boxx é presidente e fundador da "Integrity Resource Center", escritor internacionalmente reconhecido, conferencista, consultor empresarial, CPA, ex-executivo bancário e empresário. Adaptado, sob permissão, de "Momentos de Integridade com Rick Boxx", um comentário semanal acerca de integridade no mundo dos negócios, a partir da perspectiva cristã. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Facilitadores da tentação



Robert J. Tamasy*

Quais são as maiores tentações em sua vida – as áreas em que você é mais vulnerável a transigir com seus valores e padrões pessoais e profissionais? Para alguns, a ira é um castigo sempre presente. Tendências irritáveis podem se transformar em explosão à menor provocação. Para outros é a tentação de distorcer a verdade – ou simplesmente mentir – especialmente quando se trata de obter vantagem em negócios, fechar venda ou atrair um cliente. Outros lutam com cobiça ou inveja, nunca satisfeitos com o que possuem ou conquistaram. Existe sempre o desejo de ter mais. Outros ainda lutam com tentações de ordem sexual em suas mais variadas formas, no ambiente de trabalho e outros lugares. Para estes, a luxúria nunca é satisfeita.

Um amigo falou-me há tempos acerca de uma sigla que ajuda a explicar porque nossas tentações parecem mais fortes em diferentes momentos de nossas vidas. A sigla é FISC, ou seja: faminto, irado, solitário e cansado. Cada uma dessas condições pode tornar nossas respectivas áreas de fraqueza ainda mais difíceis de administrar ou controlar.

Por exemplo, quando estou faminto minha inclinação natural para a impaciência fica ainda mais forte. Ao dirigir, resmungo impaciente contra os motoristas que impedem meu avanço. Se estiver num restaurante esperando que minha comida chegue, me descubro menos cortês e compreensivo com a demora. Eu quero o que quero – e já!

Recentemente estava me sentindo irado com uma situação totalmente fora do meu controle. Sentia-me irado por causa da minha incapacidade de fazer algo e fiquei tentado a redirecionar aquela ira para os membros da família.

Todos nós já ouvimos histórias a respeito de – ou nós mesmos experimentamos – estar só durante uma viagem de negócios e nos sentirmos solitários. Em ocasiões assim, buscamos estabelecer conversações casuais ou até companheirismo aparentemente inocente e, de repente, nos defrontamos com uma situação verdadeiramente comprometedora.

Após um dia particularmente estafante ou depois de concluída uma tarefa difícil que consumiu muito tempo, estar cansado pode rapidamente injetar conflito num relacionamento que normalmente apreciaríamos. Sendo assim, o que fazer quando encontramos tentações ou um desses elementos FISC? Considere os conselhos sobre isso extraídos de um livro venerável, a Bíblia:

Não confunda tentação com mau procedimento. Ser tentado não significa falhar, pelo menos, não ainda. A tentação é apresentada como oportunidade para a má ação, o que a Bíblia define como “pecado”. Até mesmo Jesus foi tentado. “O nosso Grande Sacerdote não é como aqueles que não são capazes de compreender as nossas fraquezas. Pelo contrário, temos um Grande Sacerdote que foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou” (Hebreus 4.15).

Quando tentado devemos buscar ajuda. Alguém disse: “Posso resistir à tudo, menos à tentação”. Muitas vezes a resposta correta à tentação não é tentar com mais empenho resistir. É preciso reconhecer nossa fraqueza e pedir a Deus forças para vencer. “E agora Jesus pode ajudar os que são tentados, pois Ele mesmo foi tentado e sofreu” (Hebreus 2.18).

Tentações demandam escolha consciente. Um comediante usava a expressão, “O diabo me fez fazer isto”, para explicar um comportamento errado. Entretanto, ninguém pode nos forçar a fazer o que é errado. Nós consideramos e depois determinamos se agimos ou não segundo a tentação. “Mas as pessoas são tentadas quando são atraídas e enganadas pelos seus próprios maus desejos” (Tiago 1.14).

*Robert J. Tamasy, vice-presidente de comunicações da Leaders Legacy, corporação beneficente com sede em Atlanta. Geórgia, USA. Com mais de 30 anos de trabalho como jornalista, é co-autor e editor de nove livros. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Liderança viável e acessível



Texto: Rick Boxx*

Um editorial do destacado jornal de negócios, The Wall Street Journal, citou uma surpreendente tendência que está sendo praticada por executivos muito atarefados. De acordo com o relato eles estão contratando diretores de recursos humanos (“chief of staff”) – alguém para lidar diretamente com os funcionários, liberando os CEO’s para tratar de responsabilidades mais amplas no âmbito corporativo.

Parece significativo que no momento em que muitos CEO’s já se encontram bastante isolados de seus funcionários tenham agora lançado mão do recurso de designar outro guardião – uma nova camada de isolamento com seus empregados. Obviamente isso torna cada vez mais difícil que um funcionário tenha acesso direto aos superiores. Também leva a grande frustração entre aqueles que acreditam que suas necessidades não estão sendo ouvidas e suas contribuições não estão sendo reconhecidas.

O gerenciamento de tempo é fundamental e desconfio que seja uma das razões para essa recente tática. Entretanto, liderança verdadeiramente eficiente tem a ver com servir pessoas e não evitá-las. Quando encaramos o lidar com pessoas como problema em vez de privilégio, nossas prioridades estão seriamente fora de alinhamento.

Existem muitas fontes de consulta no que diz respeito à importância dos líderes estarem em estreito contato com seus liderados. Mas os melhores exemplos são encontrados na Bíblia. No Novo Testamento lemos: “Alguns traziam crianças a Jesus para que Ele tocasse nelas, mas os discípulos os repreendiam. Quando Jesus viu isso, ficou indignado e lhes disse: ‘Deixem vir a Mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas’” (Marcos 10.13-14).

Um conhecedor da vida de Jesus sabe que Ele tinha uma missão muito clara e dispunha de pouco tempo para cumpri-la. Ainda assim Ele sempre encontrava tempo para atender às pessoas que reclamavam Sua atenção, como na passagem acima. Se o Filho de Deus Se mostrava acessível às crianças, que naquela época nem eram consideradas pessoas, não deveríamos nós ser mais acessíveis aos nossos colaboradores? Eis outros exemplos extraídos da Bíblia:

Monitore regularmente o pulso da sua equipe. Como você vai saber se algum problema importante está para surgir se não se comunicar de forma consistente e próxima com seus empregados? Ignorar questões significativas pode colocar em perigo sua organização. “Esforce-se para saber bem como suas ovelhas estão, dê cuidadosa atenção aos seus rebanhos... os cordeiros lhe fornecerão roupa, e os bodes lhe renderão o preço de um campo” (Provérbios 27.23,26).

Conheça e se interesse por sua equipe. Quando as pessoas acreditam que seus líderes as conhecem e olham por seus interesses, elas se sentem estimuladas a fazer o melhor possível. “Quando a nação tem líderes inteligentes e sensatos, ela se torna forte e firme; mas quando a nação peca, ela muda de governo a toda hora” (Provérbios 28.2).

Dê a mesma atenção e cuidado que gostaria de receber. Quando temos necessidades prementes queremos comunicá-las a quem possa oferecer-nos assistência. Como líderes, devemos ser igualmente compreensivos com aqueles que se reportam a nós. “Façam aos outros a mesma coisa que querem que eles façam a vocês” (Lucas 6.31).

*Rick Boxx é presidente e fundador da "Integrity Resource Center", escritor internacionalmente reconhecido, conferencista, consultor empresarial, CPA, ex-executivo bancário e empresário. Adaptado, sob permissão, de "Momentos de Integridade com Rick Boxx", um comentário semanal acerca de integridade no mundo dos negócios, a partir da perspectiva cristã. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Wednesday, July 20, 2011

Prêmio Esso chega a 56ª edição reformulado



Inscrições e julgamento online introduzem comodidade e reduzem consumo de papel em uma tonelada



Em constante evolução, o Prêmio Esso de Jornalismo chega à sua 56ª edição ininterrupta trazendo uma série de inovações. A partir deste ano, as inscrições passam a ser exclusivamente online, através do site www.premioesso.com.br. No passado, eram solicitadas ao concorrentes seis cópias impressas dos trabalhos analisados. Com a nova medida, estima-se que será evitado o uso de aproximadamente 70 mil folhas de papel, quase uma tonelada. A novidade vale para todos os trabalhos de texto e fotografia, excluindo-se apenas as categorias Criação Gráfica e Primeira Página, para as quais continuam sendo solicitados seis originais, para efeito de melhor julgamento.

Mantidas todas as categorias já existentes, outra novidade é a introdução de uma premiação para reportagens e matérias jornalísticas de Educação. “A educação é uma das diretrizes dos nossos programas de Cidadania Corporativa em todo o mundo. É também um tema que vem ganhando cada vez mais destaque na imprensa, por isso consideramos muito oportuna a introdução desta nova categoria”, acredita Michael Seidner, presidente do Grupo ExxonMobil Brasil.

São elegíveis para o Prêmio Esso de Jornalismo e Telejornalismo 2011 trabalhos publicados/veiculados entre 17 de agosto de 2010 e 15 de agosto de 2011, e inscritos até esta última data.

Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Esso de Telejornalismo deverão seguir procedimento de inscrição semelhante ao das categorias gráficas, isto é, inscrição via Internet e remessa de seis cópias em DVD para o endereço dos organizadores (endereço abaixo).

JULGAMENTO

A partir deste ano, ao invés do julgamento com a presença dos jurados, uma comissão de seleção composta por 35 membros indicará, em votação remota online, os melhores trabalhos, os quais passarão à fase final.

Os vencedores continuarão a ser escolhidos por uma comissão de premiação composta por, no mínimo, cinco integrantes. Como é tradição do programa, a escolha dos jurados, em qualquer das comissões, recairá sobre jornalistas com larga experiência de atuação na imprensa, profissionais da área de comunicação e professores universitários, todos com passagem por redações de veículos de comunicação e reconhecidamente aptos para a tarefa de avaliar os trabalhos concorrentes.

Com a nova sistemática de julgamento, cada categoria passará a contemplar cinco trabalhos finalistas, à exceção da Fotografia e do Telejornalismo que passarão a dispor de 10 trabalhos finalistas cada.

O Prêmio Esso de Jornalismo destinará ao vencedor R$ 30 mil e o Prêmio Esso de Reportagem R$ 10 mil. O Prêmio Esso de Telejornalismo concederá à equipe vencedora a quantia de R$ 20 mil. São as seguintes as categorias da mídia impressa com seus respectivos valores de premiação: Fotografia (R$ 10 mil), Informação Econômica (R$ 5 mil), Informação Científica-Tecnológica-Ambiental (R$ 5 mil), Educação (R$ 5 mil), Primeira Página (R$ 5 mil), Criação Gráfica/Jornal (R$ 5 mil), Criação Gráfica/Revista (R$ 5 mil), além de quatro Prêmios Regionais, no valor de R$ 3 mil cada. As premiações serão concedidas em valores líquidos, descontados os impostos incidentes.

Thursday, June 30, 2011

Carpe Diem – Começando Hoje!



Texto: Robert D. Foster

No filme “Sociedade dos Poetas Mortos”, Robin Williams faz o papel de um professor de literatura muito criativo, mas um tanto excêntrico. O filme se passa na prestigiosa Escola Welton. No primeiro dia de aula Williams leva os alunos ao edifício da administração, os reúne ao redor de uma vitrine contendo quadros e fotos dos heróis da Escola em anos passados e pergunta-lhes: “O que vocês os ouvem sussurrar para vocês?”

Esses jovens, na maior parte alunos do primeiro ano, fixam os olhos na vitrine, mas não conseguem responder à pergunta. Quando se dá conta que os alunos estão confusos diante da indagação, Williams dá a resposta que estava esperando: “Eles estão dizendo a cada um de vocês: ‘CARPE DIEM’”.

E prossegue: “Aproveitem o dia! Os líderes do passado já se foram. A chance que tinham de fazer diferença também passou. Vocês devem aproveitar o dia. O tempo é hoje, as necessidades são imensas e as oportunidades sem precedentes”. Professor Williams encerra sua exortação com esta observação instigante: “O que ouço não é um sussurro, mas o clamor de uma trombeta: CARPE DIEM!”

Exceto por uma minoria, no ambiente de trabalho tal senso de propósito é visivelmente ausente. Carpe Diem, expressão latina que desafia a maximizar as oportunidades apresentadas no dia, atrai indivíduos únicos – verdadeiros promotores de mudanças – a novos campos de exploração e empreendimento. Pesquisando o mundo empresarial e profissional, acredito que este é o elo perdido na cadeia, necessário para assegurar um ambiente de negócios vigoroso, duradouro e produtivo.

Hoje eu gostaria de lançar um desafio: que você comece esta semana buscando novas fronteiras e oportunidades, embora reconhecendo que isso não ocorrerá sem lutas. Mas tenha ânimo! No oitavo século antes de Cristo, o Criador Deus de Israel disse ao Seu povo: “Carpe Diem. Eu os tirei para fora do Egito e o exército deles foi vencido; agora quero fazer algo ainda maior. Eu tenho em mente um ‘novo êxodo’”!

Assim, deixe-me sugerir, começando hoje: Ajuste seu passo ao de Deus! Veja-O trabalhar a seu favor. Como o ator Robin Williams disse no filme, porém, com infinitamente mais autoridade, Deus está dizendo: CARPE DIEM!

Sunday, June 05, 2011

Ingredientes para uma receita vencedora



Jim Lange*

Se existe uma verdade evidente na vida, especialmente no mundo empresarial e profissional é esta: “Coisas acontecem”. E sem qualquer razão aparente coisas que nós não conseguimos explicar:

. Uma venda importante que esperávamos concluir depois de despender esforço extraordinário, de repente não se realiza.

. Perdemos nosso principal cliente sem nenhum aviso prévio ou causa compreensível.


. Não recebemos a promoção que estávamos esperando ou a recebemos e ela não é aquilo que esperávamos.

. Um membro chave da equipe de repente pede demissão ou vai para a concorrência, depois de você termos investido tempo e dinheiro em seu treinamento.

Quando coisas assim acontecem, geralmente ficamos a imaginar: “O que eu fiz para merecer isso?”, ou mesmo, “Por que Deus fez isso comigo?” Ás vezes, não encontramos explicação satisfatória; outras, porém, recebemos resposta ao nosso “por que?” A história a seguir fornece ilustração maravilhosa:

Uma menina estava dizendo à mãe como tudo em sua vida parecia dar errado: ela não estava indo bem em matemática; o namorado terminara com ela; e sua melhor amiga estava de mudança. Tudo parecia estar desmoronando. Enquanto a filha desfiava sua história dolorosa, a mãe fazia um bolo. Fazendo uma pausa, interrompeu-a para perguntar se ela gostaria de um lanchinho.

A filha respondeu: “De jeito nenhum, mãe. Você sabe que eu amo seu bolo!”

“Tudo bem, beba então um pouco de óleo de cozinha”, respondeu a mãe, empurrando a garrafa de óleo em direção à sua filha. “Eca!”, disse a filha.

“Você gostaria de alguns ovos crus?”, perguntou a mãe, segurando-os diante da jovem. “Não, mãe. Isso deve ser horroroso!”

“Você gostaria de comer um pouco de farinha, então?” – indagou a mãe. “Ou quem sabe um pouco de fermento?”

“Mamãe, por que você está me perguntando estas coisas? Tudo isso deve ter um gosto horrível!”

A mãe respondeu: “Sim, todas essas coisas são ruins isoladamente. Porém, quando reunidas de forma correta, fazem um bolo maravilhosamente delicioso. E se você deixar de incluir um só ingrediente que seja, o resultado não será tão bom.”

“Deus trabalha de forma semelhante”, prosseguiu a mãe. “Muitas vezes perguntamos por que Ele nos deixa passar por tempos tão difíceis e ruins. Mas Deus sabe que quando Ele junta todas essas coisas, em Sua onisciência e perfeita ordem, elas sempre resultam em algo para o nosso bem! Nós temos apenas que confiar Nele. Ao final, todas as coisas se combinarão para fazer algo maravilhoso!”


* Jim Lange, presidente de capítulo da Truth@Work, organização voltada para pessoas no mercado de trabalho. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Thursday, May 26, 2011

Mudança pela renovação da mente



Texto: Rick Warren*

Quase todos nós temos algo que gostaríamos de mudar em nós mesmos, no nosso trabalho, nos relacionamentos ou nas ações e hábitos diários. Para mudar nossa vida, entretanto, é preciso mudar primeiro a forma como pensamos. Por trás de tudo quanto fazemos está um pensamento. Todo comportamento é motivado por uma crença. E cada ação é induzida por uma atitude.

Ouvindo os gurus dos tempos modernos falam sobre isso pode parecer que se trata de uma descoberta surpreendente. Mas Deus revelou essa verdade milhares de anos antes que psicólogos a compreendessem: “Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos” (Provérbios 4.23).

Para ilustrar, imagine-se num lago navegando em uma lancha, cujo piloto automático o está levando para leste. E você decidiu reverter o curso e rumar para oeste. Haverá duas maneiras possíveis para fazer isso. Uma, agarrando o leme e fisicamente forçar a lancha a ir em direção oposta; usando força você poderia superar o piloto automático, apesar de contínua resistência. Seus braços ficarão cansados e acabarão tendo que soltar o leme e a lancha voltaria instantaneamente para leste. A mudança será apenas temporária. Ao deixar de forçar a mudança, tudo voltará ao que era antes.

É o que acontece quando tentamos mudar nossa vida pela força da vontade. Dizemos a nós mesmos: “Vou me obrigar a... comer menos; parar de fumar; deixar de ser desorganizado; de me atrasar; não responder irritadamente quando estou sob pressão”... Força de vontade produz mudanças de curta duração e cria estresse interno constante, porque não lidamos com a raiz das causas daquilo que pretendemos mudar. Fazer mudanças não parece ser natural, exigindo muito esforço e força de vontade. E assim, desistimos e deixamos prá lá a dieta, acendemos outro cigarro, chegamos atrasados para reunião importante e reagimos com irritabilidade despropositada.

Mas existe maneira melhor e mais fácil: mudar o “piloto automático” – nossa maneira de pensar. Ou, como a Bíblia diz, nos dispondo a permitir que Deus a mude. “Deixe que Deus o transforme numa nova pessoa mudando a maneira como você pensa...” (Romanos 12.2 – tradução livre).

Mudanças devem começar na mente. A maneira como pensamos determina como nos sentimos e isso influencia nossas ações, o que significa que “é preciso haver uma renovação espiritual de nossos pensamentos e atitudes” (Efésios 4.23 - tradução livre).

Ter a mente de Cristo. A Bíblia ensina a ter “a mente de Jesus Cristo” e chama essa mudança mental de “arrependimento”. A palavra no original grego (metanuo) significa literalmente “mudança de mente e de direção” (Marcos 1.17).

Mude o modo de pensar. Mude sua maneira de pensar sobre Deus, sobre você mesmo, sobre o pecado, sobre outras pessoas, a vida, seu futuro. Tudo enfim. Adote a perspectiva de Cristo a respeito da vida, seguindo-O!

*Rick Warren , escritor e conferencista. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

Sunday, May 15, 2011

Massey Ferguson amplia opções de inscrição para Prêmio de Jornalismo




Jornalistas que produzem matérias sobre o agronegócio para revistas, jornais, internet, televisão e fotos para veículos impressos, agora contam com um formato facilitado para inscrições no Prêmio Massey Ferguson de Jornalismo. Até 15 de julho, os jornalistas podem enviar seus trabalhos pelo correio ou pela primeira vez na história do prêmio, por e-mail. Outra forma de inscrição é com o depósito da documentação diretamente em um totem do prêmio nas concessionárias matrizes da Massey Ferguson pelo Brasil.

Anualmente, a premiação é dividida em cinco categorias (televisão, internet, jornal, revista e fotografia). No ano do cinquentenário da marca, serão duas novas categorias com matérias que contemplem o futuro do agronegócio. Nesta categoria, podem ser inscritas reportagens produzidas por profissionais em veículos de imprensa e também, concorrendo a outra prêmio, estudantes de jornalismo com trabalhos feitos para uma disciplina ou jornal-laboratório impresso, revista, internet ou TV.

As informações para a inscrição podem ser conferidas no blog: http://www.massey.com.br/portugues/premiojornalismo/index.asp

Sunday, April 17, 2011

Abertas as inscrições para a sexta edição do Prêmio ABCR de Jornalismo


Premiação distribuirá um total de R$ 60 mil

Estão abertas desde hoje (13 de abril de 2011), as inscrições para mais uma edição do Prêmio ABCR de Jornalismo, que distribuirá um total de R$ 60 mil em prêmios nas categorias Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo e Internet e para um prêmio principal que leva o nome do programa. O objetivo da premiação, promovida pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias, é incentivar e valorizar a produção de reportagens que abordem e discutam a participação da iniciativa privada na operação e administração da infraestrutura rodoviária.


O vencedor de cada uma das quatro categorias receberá a quantia de R$ 10 mil (dez mil reais), em valor bruto, além de diploma. Ao vencedor do prêmio principal será também conferido diploma e a quantia de R$ 20 mil (vinte mil reais), em valor bruto.


Para participar da sexta edição do Prêmio ABCR de Jornalismo é necessário que os jornalistas de todo o Brasil tenham trabalhos publicados na mídia impressa ou na Internet, ou ainda veiculados nas emissoras de televisão ou rádio brasileiras no período entre 16 de setembro de 2010 e 1º de agosto de 2011.


Os jornalistas deverão preencher a Ficha de Inscrição disponível no site www.abcr.org.br . Os profissionais que desejarem obter mais detalhes da premiação poderão também visitar o site acima indicado, onde encontra-se disponível a íntegra do regulamento.


A cerimônia de entrega dos prêmios ocorrerá no dia 24 de outubro, em Foz do Iguaçu (PR), durante o 7° Congresso Brasileiro de Rodovias e Concessões - CBR&C.

Poder e Perigo da Palavra


Mais uma excelente oportunidade de leitura oferecida pelo grande amigo Marcel Agarie.


Neste texto, Robert D. Foster* mostra com muita sabedoria o "estrago" que as palavras podem causar em nossa vida. Ou não. Depende das nossas escolhas. Boa leitura!


==


Josiah Wedgwood, produtor da famosa cerâmica inglesa Wedgwood, estava mostrando sua fábrica a um aristocrata e um empregado, jovem adolescente, os acompanhava. A conversa do aristocrata com Wedgwood era irreverente e vulgar. De início o jovem mostrou-se chocado com o linguajar dele. Mas depois, o comportamento dele mudou, mostrando-se fascinado e rindo das piadas grosseiras do nobre visitante.


Wedgwood ficou aborrecido e profundamente aflito. Ao final do giro pela fábrica mostrou ao visitante um vaso de desenho incomparável. O aristocrata ficou fascinado pela forma elegante e rara beleza do objeto. Ao tentar apanhá-lo para examinar mais de perto, Wedgwood intencionalmente deixou-o cair no chão. A peça cara quebrou-se de forma irreparável em centenas de pedacinhos. Com um insulto o aristocrata gritou: “Eu queria esse vaso para minha coleção. Você o arruinou com sua falta de cuidado!”


“Senhor”, Wedgwood respondeu, “outras coisas foram arruinadas hoje, muito mais preciosas do que esse vaso. O senhor jamais poderá devolver ao jovem que acaba de nos deixar, a reverência pelas coisas sagradas que seus pais tentaram lhe ensinar durante anos. O senhor desfez o esforço deles em menos de meia hora”.


Como reagimos à linguagem das ruas, quando pessoas ao nosso redor usam termos baixos ou linguagem depreciativa para falar de outras? Poderíamos reagir julgando e recriminando, mas é duvidoso que isso possa exercer qualquer influência sobre os que usam essa forma de falar. Se fôssemos reagir, seríamos sábios respondendo de maneira similar à usada por Wedgwood, com gentileza, humildade e honestidade.


Nossa resposta ao discurso profano e inaceitável não deve ser oportunidade para justificarmos a nós mesmos. Não sou capaz de dizer quantas vezes descobri o mesmo tipo de linguagem se levantar dentro de mim. Posso ter sido bem-sucedido em reprimi-la, mas de qualquer maneira o pensamento estava lá. A Bíblia nos adverte: “Portanto, aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair” (I Coríntios 10.12). Por este motivo, ao longo dos anos tenho tentado fazer que esta simples oração preceda minhas palavras: “Que as minhas palavras e os meus pensamentos sejam aceitáveis a Ti, ó Senhor Deus, minha rocha e meu defensor” (Salmos 19.14).


Certamente haverá ocasiões no trabalho ou no campo pessoal, em que as circunstâncias nos tentarão a proferir palavras que poderiam ofender e ferir outras pessoas. Seria sábio dar ouvidos à admoestação do apóstolo Paulo em Efésios 4.29: “Não digam palavras que fazem mal aos outros, mas usem apenas palavras boas, que ajudam os outros a crescer na fé e a conseguir o que necessitam, para que as coisas que vocês dizem façam bem aos que ouvem”.


Um amigo meu, Mart De Haan, sugeriu a seguinte oração: “Pai, perdoa-me por tomar o Teu nome em vão, mesmo que apenas no silêncio do meu próprio coração. Ajuda-nos a reconhecer a autoconfiança que nos leva a usar uma capacidade excelente, de maneira tão inferior e vulgar. Ajuda-nos a aprender com nossa irreverência, a ver nossa necessidade do Teu Espírito, de forma que venhamos a dizer: ‘Oh, meu Deus, que tudo que faço ou digo, não seja para minha própria satisfação e motivos egoístas, mas por amor a Cristo. Amém.’”

Wednesday, February 09, 2011

A difícil arte de descansar e esperar


Robert D. Foster*

Ninguém gosta de esperar. O nível de irritação se eleva enquanto esperamos em filas de caixas, revistas de segurança em aeroportos ou encaramos o relógio enquanto pessoas entram e saem de consultórios médicos ou dentários. Este é um território onde o tempo parece parar. Ficamos frustrados quando nos achamos sentados nos maiores estacionamentos do mundo - as ruas e avenidas de nossas grandes cidades!

A cultura atual demanda gratificação imediata: “Eu quero agora!” A tecnologia nos estimula a ir cada vez mais rápido: e-mail, telefonia móvel, mensagens de texto, informação instantânea pela internet. A TV nos proporciona, via satélite, observar conflitos e desastres globais em primeira mão. Os mais pressionados pelo tempo são aqueles que não se sentem satisfeitos, a menos que estejam fazendo alguma coisa. Não apenas ser, mas sobretudo fazer! Isto descreve com exatidão minha condição anos atrás.

Foi quando meu seguro e sereno mundo ficou fora de controle. Minha esposa, Bev, não suportou mais conviver com a altitude da nossa pousada no Colorado, que ficava a 2 Km. Assim, nos mudamos para um ambiente mais propício ao sul da Califórnia, onde ela já residira por muitos anos. Para mim isso significou nova residência, clima diferente, deixar para trás um estilo de vida de 45 anos, encontrar novo lugar para servir a Deus, fazer novos amigos e, o mais difícil, determinar o que fazer no condado de Orange.

Eu me sentia à deriva, separado de tudo que me era confortável e familiar. Mas Deus estava usando aquele tempo para chamar minha atenção. Não houve nenhuma visão celestial, nem sonho em que Jesus falava comigo. Mas Deus realmente falou certa manhã através do Salmo 37.7. Parecia que Ele estava dizendo: “Bob, você precisa aprender a descansar e esperar." Foi uma importante lição, mesmo para um homem avançado em idade como eu.

Descansar diz respeito a fatos; esperar tem a ver com promessas. Descansar é o princípio fundamental da salvação de Deus por meio de Jesus Cristo. Eu descanso na obra consumada na Cruz – a morte expiatória de Jesus por meus pecados. “Está consumado”, Jesus disse. Eu não posso acrescentar nada a isso. Por isso é tão difícil compreender e aceitar o Evangelho. É mais fácil labutar que descansar. Não tem nada a ver com minhas obras, mas tudo a ver com Seu sangue derramado por mim e por você!

Esperar é tão difícil se não mais. Esperar pacientemente é extremamente difícil para empresários e profissionais determinados, de alto desempenho. Nós, seguidores de Cristo, devemos esperar pelo cumprimento de Suas promessas. Deus, segundo descobri ao longo dos anos, não faz nada nem cedo, nem tarde. Ele responde no tempo devido.

Precisamos esperar para que Deus revele Sua vontade. Ele tinha um plano e um propósito para cada etapa da minha jornada de vida, inclusive em Orange. Porém, precisei esperar para que Ele cumprisse os desejos do meu coração, como prometido no Salmo 37.4: “Deleite-se no Senhor, e Ele atenderá aos desejos do seu coração.” Como alguém disse, “Grandes esperanças jamais são despertadas no coração humano para desapontá-lo”.

Assim, aqui estou eu, ainda aprendendo, mas também crendo: “Descanse no Senhor e aguarde por Ele com paciência...” (Salmos 37.7).

*Texto adaptado de "The Challenge" (O Desafio), escrito e publicado por Robert D. e Rick Foster, devidamente autorizado pelos autores. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes

Tuesday, January 11, 2011

Comprometimento


Sempre aguardo as boas mensagens de um verdadeiro amigo


Faz um tempinho que o amigo Marcel Agarie envia mensagens positivas (e esclarecedores)chamadas "Maná da Segunda". Percebi que são mensagens que ele também recebe de outra pessoa que, possivelmente, também tem um grande carinho por ele. Uma verdadeira corrente do bem.

O texto da mensagem abaixo é de autoria de Jim Mathis, diretor executivo do CBMC em Kansas, Missouri e em conjunto com a esposa Louise, dirigem uma Cafeteria. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes

Boa leitura! Obrigado Marcel


Comprometimento

Existem diferentes tipos e níveis de compromisso. Minha analogia preferida é o café da manhã americano composto de ovos e bacon. Podemos dizer que a galinha que forneceu os ovos esteve envolvida, mas o porco que deu o bacon esteve totalmente comprometido com a refeição.

Alguns parece que nunca são capazes de se comprometer com alguma coisa. Outros são rápidos para assumir compromissos, mas igualmente rápidos para descomprometer-se. Outros ainda são lentos para decidir, mas uma vez assumido o compromisso, seguem em frente com entusiasmo. Eu me encaixo no último grupo.

Anos atrás minha esposa e eu nos envolvemos com um grupo de estudo bíblico semanal. Nos reunimos todas as quintas à noite durante quase sete anos. Faltamos apenas umas poucas vezes por estarmos viajando de férias. Composto por seis casais, era raro que todos estivessem presentes. Isso sempre foi um mistério para mim: por que as pessoas não conseguem se manter fiéis aos seus compromissos?

Por fim, descobri que as pessoas se comprometem de forma diferente: umas com pessoas e outras com o evento. Para nós, o estudo da Bíblia era importante, mas os relacionamentos eram mais. Estávamos comprometidos com as pessoas e não com o evento em si. Teria sido fácil para nós não participar do estudo, mas sentíamos que não podíamos deixar nossos amigos na mão, mesmo que a maioria demonstrasse pelas atitudes, que não tínhamos a mesma importância para eles.

Isto se aplica ao mundo de negócios. Minha esposa e eu nos comprometemos com evento, produto ou serviço, mas com frequência nosso compromisso primeiro é com as pessoas envolvidas. Quando um procedimento ou programa é colocado acima dos relacionamentos geralmente surgem atritos. Por isso, buscamos manter negócios com quem gostamos. As melhores empresas entendem isso. Elas contratam pelas qualidades que desejam e depois treinam as pessoas para capacitá-las e não o contrário.

Para os que são inclinados a se comprometer com eventos, eis um pequeno teste. Se você e um amigo planejarem fazer algo juntos, como ir ao cinema, e ele precisar cancelar o encontro, você decide ir mesmo sozinho, ou com outra pessoa ou agenda para quando seu amigo puder ir junto? As situações são diversas, mas cada um de nós tem uma tendência: ou nos comprometemos com evento, com agenda ou com pessoas.

Fiz parte do quadro de dirigentes de uma organização sem fins lucrativos e tomamos a decisão de deixar de atrair eventos e começar a atrair pessoas. Não sei ao certo se realizamos mais dessa forma, mas nos descobrimos muito mais felizes e apreciamos os relacionamentos que desenvolvemos. Especialmente nas crises é preciso compreender o nível de compromisso das pessoas que estão conosco. Como diz a Bíblia, “Quem tem muitos amigos pode chegar à ruína, mas existe amigo mais apegado que um irmão” (Provérbios 18.24).

Em muitas circunstâncias ter amigos com nível de comprometimento como o da galinha que oferece ovos para o café da manhã é o bastante. Mas às vezes precisamos de alguém pronto para comprometer-se como o porco.

Tuesday, January 04, 2011

Inscreva sua reportagem no 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo


Premiação para as melhores matérias de tecnologia da mobilidade, publicadas em mídia Impressa e Internet, soma R$ 22 mil

Se você escreve ou já escreveu sobre tecnologia da mobilidade (terrestre, aeroespacial, e naval), e sua matéria for publicada no Brasil entre 1º de janeiro de 2010 e 28 de fevereiro de 2011, em mídia impressa ou na Internet, candidate-se ao 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo endereço http://www.saebrasil.org.br/eventos/premio_jornalismo/2010/intro.swf, por onde devem ser encaminhadas as reportagens, no modo PDF para a categoria ‘Impresso’ e em HTML ou PDF na categoria ‘Internet.

O 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo é apoiado pela Delphi Automotive Systems do Brasil. São elegíveis ao concurso matérias relacionadas ao tema da mobilidade nos modais terrestre, aeroespacial e naval, publicadas em jornais, revistas e sites com sede no Brasil, entre 1º de janeiro de 2010 e 28 de fevereiro de 2011. O número matérias inscritas por participante é ilimitado.

A comissão julgadora, composta por dois jornalistas e um representante da SAE BRASIL, fará a avaliação dos trabalhos e elegerá, em cada categoria, cinco finalistas.Os primeiros colocados em cada categoria (mídia impressa e internet) receberão R$ 7 mil em dinheiro.

Serão selecionadas ainda duas menções honrosas por categoria, contempladas com R$ 2 mil cada uma. Os demais finalistas receberão certificado de participação. Todos os prêmios são pessoais e intransferíveis, e a divulgação dos vencedores será dia 30 de março, às 19h30, na SAE BRASIL

Para Besaliel Botelho, presidente da SAE BRASIL, o Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo entra em sua 5ª edição reafirmando o propósito de incentivar a produção de reportagens sobre os desenvolvimentos tecnológicos na área da mobilidade no Brasil, ao laurear os melhores trabalhos que tratam do tema. “É por meio da imprensa especializada que informamos a sociedade sobre os avanços da indústria e sobre as novas tecnologias”, afirma Botelho.

Jornal BLEH!

Followers

Blog Archive